Não, isto não é o serviço militar obrigatório, mas você está convocado a lutar pela pátria na Web. Claro que o alistamento para Web é uma brincadeira, mas precisamos ter mais iniciativas brasileiras para Web 2.0. Mesmo que você não concorde com o termo, sem problemas, o importante é que você inclua em seus trabalhos a participação do usuário, use AJAX com bom senso, abuse de padrões web, pense em SEO, mantenha a simplicidade e entenda o momento que a Web está passando. Só com isto você já sai no lucro.

Escrevi há algumas edições um artigo falando sobre Web 2.0. Nele haviam termos como colaboração, AJAX, redes de relacionamento, aplicativos online e falava sobre vários sites Web 2.0 sendo a maioria do EUA. O que mudou hoje em dia é que dos sites citados no artigo, o Writely e o YouTube foram comprado pelo Google, o del.icio.us e o Flickrpelo Yahoo e surgiram vários sites novos nesta linha, mas poucos brasileiros. Será que não vale a pena criar sites Web 2.0? O YouTube diz o contrário. Então o que falta para o boom da Web 2.0 brasileira?

Existem algumas dificuldades, como falta de investimentos, cultura diferente, referências e participação de grandes empresas. Grande portais já perceberam a oportunidade e estão criando sites de vídeo, fotologs e redes de relacionamento como o 8P da Globo. Mesmo com tudo isto ainda é possível contornar estes problemas e avançar no caminho 2.0.

O primeiro ponto para isto é evitar fazer o projeto pensando exclusivamente no lucro. Ganhar dinheiro é bom, claro, mas prefira fazer algo que você goste e que te traga satisfação e de quebra te dê mais experiência. A garantia de um bom resultado já será grande. O que vier será lucro. Faça como o projeto do Marco Gomes, o Wallpapr.

Também existe o problema dos usuários que não são heavy users. Existem usuários que não gostam de mudança, tem dificuldade em aprender coisas novas e que só acessam algo por que o “amigo referência que sabe informática” indicou. Este problemas tem duas parte para ser resolvido. O tempo e a simplicidade. O que tornou o Firefox, já na sua versão 2.0, tão popular foi a simplicidade. Ele é fácil de usar, simples de instalar e não tem curva de aprendizado. Porém este sucesso não aconteceu do dia para a noite. As pessoas precisam usá-lo, testá-lo para então indicar para outras. Isto leva tempo. Saiba então ter paciência.

Um ponto controverso é copiar as idéias lá de fora. Sou a favor disto! Muitos dos serviços que são excelentes lá fora esbarram no problema da língua. Imagine quantos navegantes brasileiros não sabem inglês? Então mesmo quando é criado um digg-like em português, já valeu a pena, pois foram inseridos milhares de brasileiros na aventura de cavar notícias. Agora se vai copiar algo, procure inovar. Coloque a pimenta brasileira nos seus projetos.

Para servir de inspiração, visite o site http://lista2.0br.com.br que tem diversos projetos de Web 2.0 brasileiros e alguns principais lá de fora. Quem sabe esta lista não aumenta?