O Simpósio acontece aqui no Rio de Janeiro, na ESPM e faz parte do programa de Pós-Graduação em Marketing Digital.

A abertura foi feita pelo Alexandre Mathias que é o diretor-geral da ESPM. Ele agradeceu a presença de todos e anunciou que fechou uma parceria com o Google na qual ele patrocinará a linha de pesquisa de marketing digital da ESPM. Em seguida ele introduziu o Vicente Ambrósio que é o diretor da pós graduação falou sobre o curso de marketing digital que será lançado.

Em seguida falou Vinícius Andrade Pereira, professor da UERJ e ESPM, sobre a cultura digital Trash afirmando que ela começa a escapar da massificação com a produção de vídeos, músicas, material por jovens que incluem no seu material o trash, o tosco e sua identidade. Isto já é claramente exemplificado pelo sucesso de alguns vídeos do YouTube.

Segundo ele, o objetivo do simpósio é discutir a cultura digital trash e massa, como produtos trash podem influenciar negócios, fama e propriedade intelectual.

Conforme forem acontecendo as apresentações, eu vou atualizando o post.

Atualizado: Segue agora o que aconteceu no evento. Este post conta com a contribuição da amiga Ana Amélia Erthal. A idéia é ter cada vez mais post em conjunto, usando o Google Docs. Assim é melhor pois discutimos bastante alguns pontos e o resultado fica ainda melhor.
Bem. o propósito do Seminário é de tentar responder algumas perguntas:

  • discutir as características do Digital Trash
  • levantar quem são os mediadores do Digital Trash
  • quais são os espaços de interação social
  • discutir se existem ações políticas no Digital Trash
  • questionar como ações de Digital Trash podem virar negócios valiosos
  • descobrir como dinâmicas podem redefinir fama e propriedade intelectual

Confira cada um dos palestrantes.

  • André Lemos UFBA
  • Raquel Recuero UFRGS
  • Henrique Antoun UFRJ