Vi pelo Digg uma matéria sobre o um viral de Heroes chamado Zeroes. Veja o vídeo abaixo e então continue lendo o post. Se ainda não conhece Heroes, visite Heroes na Wikipedia.

Para quem conhece a série, o vídeo é hilário. O cara que chuta a cabeça representa tão mal quanto a Niki. Voltando ao assunto, vejam como a NBC aproveitou a internet para alavancar Heroes e alcançar a maior audiência do canal dos últimos cinco anos em série dramática.

Independente do termo Web 2.0, vivemos um momento em que o usuário gera o conteúdo em blogs e wikis, vídeos ganham viralidade na rede e os formadores de opinião tem muita força. A empresas ainda estão aprendendo isto. Participei do primeiro evento de web 2.0 e o que para elas é novidade, para nós faz parte do dia-a-dia. O Fábio usou uma boa expressão para isto. As empresas estão que nem barata tonta tentando descobrir o que fazer. Algumas acertam e Heroes é um bom exemplo.

A experiência do telespectador não se limita apenas na TV. A interação já acontece com SMS, ligações e sites, mas algumas emissoras estão indo além. Eles tem claro um site da série, só que tem também o Heroes 360 experience que é a extensão da série onde eles aproveitam a internet para criar a experiência da série.

Esta experiência funciona mais ou menos assim. Você recebe informações nos episódios como um cartão de visitas que tem a que apareceu no episódio tem também um número de telefone que funciona com o código que está no verso do cartão de visitas. O código de acesso do cartão é revelado no blog da Samantha, outra personagem da série.

Existe um canal oficial do seriado dentro do Myspace. Hiro que é um dos personagens mais queridos, tem um blog em que ele reporta tudo o que acontece com ele nos episódios. Seus sentimentos, angustias e seus emoticons japoneses. O engraçado é que quando ele viajou no tempo para o passado, seus posts desapareceram ficando apenas o post inicial. Depois que ele retorna ao presente, ele explica que o sumiço dos posts na verdade aconteceu por causa de um erro no sistema de blog que apagou acidentalmente os posts.

Existe também um perfil da Claire no My Space que tem informações ‘pessoais dela’ como amigos, preferências musicais, filmes e inclusive as séries que ela assiste, mesmo que de outras emissoras. Não existe medo de enviar visitantes para outros sites ou divulgar a “concorrência”. Ã? melhor tornar a experiência real. Outros que também tem My Space são o irmão dela Zach, e a Wireless Samantha,

E como continuar fazendo propaganda se as pessoas tem Tivo ou podem baixar episódios da internet? Existe também uma revista em quadrinhos paralela a história. Toda semana tem uma revista em pdf que pode ser baixada e você pode ver outros aspectos que não aparecem no seriado como conhecer a personagem Wireless bem antes dela aparecer nos episódios. Na revistinha, logo depois da capa, tem sempre um anúncio do carro Nissan Versa, alugado por Hiro para cumprir sua missão de salvar o mundo. Ou seja, o velho merchandising é usado nos episódios e inova nestas revistas em quadrinho.

Lost já tinha trilhado este caminho antes, mas Heroes tem conquistado mais e mais fãs em de diferentes públicos. Será que Lost se perdeu?