Foram inúmeras as vezes que vi a mesma cena: um conhecido feliz da vida por que está com o site da empresa pronto. Um ano depois o site está fora. Os motivos são vários, desde empresas que quebram no seu primeiro ano de vida, até o esquecimento da renovação do domínio, mas o que mais me impressiona são os que desistem porque o site “não vingou”.

Quando pergunto o que eles esperavam do site, a maioria responde a mesma coisa: visitantes/compradores. Eles acreditam naquela frase do filme Campo dos Sonhos que atormentava Kevin Costner: “Construa e eles virão”. Um site é como uma planta. Você pode ter a sorte grande de jogar a semente e ela germinar até uma frondosa árvore, mas normalmente ela exigirá cuidados diários e será preciso investir nela. Enquanto escrevia este artigo, uma amiga comentou comigo que ia imprimir um cartão desconto por um site, mas estava preocupada, pois o texto falava que a validade do cartão seria apenas até aquele mês. Quando ela decidiu imprimir, o cartão tinha a frase: “Feliz 2004!”.

E o que isso tem haver com quem trabalha com web? Só tivemos a bolha na internet por conta de toda “euforia” em volta da novidade, onde todos viam uma corrida ao ouro. “Vamos ficar ricos!” Vimos que grande parte dos investimentos era infundado. Funciona da mesma forma quando começa um projeto de desenvolvimento de um site. O cliente começa a sondar com quem vai fazer o serviço e acaba escolhendo o mais barato, que é o famoso “sobrinho”. Pede coisas que nem sabe ao certo para que serve. Pede animação de introdução, coisas piscando, flash, som e nem se preocupa se o visitante realmente quer aquilo. Já do lado de quem atende a see thru pokies este exigente cliente, falta coragem para justificar por que não fazer isto, por que corre o risco do sobrinho fazer e não dar um pio. Afinal, o sobrinho pensa apenas no operacional. “Se produzi e recebi, está ótimo”. Ele não se importa do nome dele estar em um site mal feito ou do cliente fracassar quando o que deve ser feito é exatamente o contrário.

Você deve saber dizer não ao cliente e justificar. Corra o risco até de perder o cliente, mas pelo menos indique para ele o melhor caminho. Imagine quantas boas idéias não naufragaram apenas porquê foram mal implementadas? Você acha também que este cliente vai indicar a alguém que monte seu site também? Por isto é importante falar tudo ao cliente e também planejar bastante antes de começar. Quem trabalha com TI sabe o quanto é importante a fase de análise, pois ela permite que você planeje melhor o que será feito e evita alguns problemas antes mesmo que aconteçam. Chega de amadorismo. Aproveite, isto ainda é um diferencial.

Não esqueça também que o site é feito para quem vai visitá-lo. O cliente deve ser lembrado disto, afinal ele quer se relacionar com seus alvos. Internet é relacionamento e isto vale também para o projeto de um site. Não basta produzir o site, mas saber se ele vai bem. Não custa nada dois meses depois do site estar no ar, perguntar como tem sido o feedback, dar uma olhada nas estatística e sugerir algumas mudanças. Agindo assim, inicialmente você pode ter menos clientes, mas os clientes que você tem serão tão satisfeitos que indicarão para você mais clientes, afinal a internet é viral também. O sucesso dos seus clientes será o seu sucesso também.

Este artigo foi publicado na revista www.com.br