Eu vejo tantos projetos de negócio maravilhosos, com ferramentas de cair o queixo, com interações super agradáveis, mas muitos deles tem um problema crônico. Um problema que não depende de sonhos, de alegria ou sucesso conquistados. Se um projeto não tem uma fonte de renda, dificilmente ele conseguirá se manter.

Veja a história rápida e resumida do Google. Ele é um grande gigante da mídia, uma ferramenta maravilhosa, uma marca desejada e valorizada, mas o que era o Google no seu primeiro ano de vida? Ele não tinha fonte de receita. Existia apenas pessoas que vislumbravam o quanto aquela ferramenta era maravilhosamente útil e funcional. Algumas destas tinham dinheiro e acharam que valia investir no Google, mas aí vem a pergunta: E se não desse certo? Como o investidor ia receber de volta o dinheiro? Você agora vai falar, mas só de olhar para o Google dá para ver que é sucesso certo. Ok então vamos pensar em outro site.

O Delicious é um sistema de favoritos colaborativo. Surgiu no Yahoo! e é uma ideia incrível e útil, pois vai além dos favoritos no seu toolbar do navegador. Você pode taguear, ver os artigos mais favoritados, ver o que seus amigos favoritam. Legal né? Resumo da história: o Yahoo! não conseguiu manter o site e teve que passar para frente. Simples assim. Não importa se o produto é legal, não tem receita, não tem como se manter.

Voltamos ao Google, depois que ele descobre o link patrocinado, tudo praticamente vira ouro. Aí a coisa fica fácil. Chovem pessoas querendo investir, comprar ações, fazer parcerias… de novo você vai falar, mas o Google é melhor que o Delicious. E você seria capaz de acertar sempre? Você compraria o instagram? Cadê a fonte de receita? Você compraria a ZipDash ou a Where 2 Technologies? São algumas das empresas que servem para o Google Maps que é um aplicativo que dá receita e no futuro com os celulares deve ter mais força ainda. Aí já dá para ver que é difícil medir isto. Quantos produtos os próprio Google comprou e acabou não usando?

Agora imagine um mundo sem investidores? Não teríamos produtos maravilhosos ou a velocidade de crescimento que tivemos até hoje. Então as empresas tem que aproveitar o almoço grátis para poder crescer e melhorar seus modelos de negócios, suas ferramentas e tornar seu produtos útil para seus usuários. Só tem que ter em mente que não será para sempre.