diversos


O jornalista Jorge Vidor foi convidado para aquecer o evento e instigar a discussão sobre o assunto. Começou passando uma visão geral do que esperar com a entrada do 3G no Brasil. Falou que o que mais cresceu no Brasil foram os serviços de comunicação a distância e a venda de veículo, sendo que ele chama a atenção que o Amapá foi o proporcionalmente o líder em aquisição de veículos. Mostrou números do último PNAD em que no Brasil 22,1% tem microcomputadores e 17% tem acesso a internet. No Rio de Janeiro a taxa é maior com 29% da população tem microcomputadores e 23% tem acesso à banda larga.

A receita de celulares foi de 50 bilhões de reais. A previsão é que a rede 3G possa ser um por cento da receita da operadora, rendendo 500 milhões de reais. As operadoras pagaram 5,3 bilhões de reais das redes 3G. Se elas estão apostando tanto dinheiro e conhecem o que já aconteceu com o mercado internacional, pode apostar que será um mercado que crescerá bastante.

Ele concluiu que ninguém sabe ao certo o que esperar do 3G, se ele irá pegar ou não, mas a chance é muito grande, principalmente pela carência de banda larga atualmente no Brasil.

O Alex Pinheiro da Gol Mobile falou apenas sobre como o mercado de telefonia evoluiu. Seu tom informal de mais fica sem graça. Falou na cifra de 58,7 brilhões do mercado e que exitem 120 milhões de linhas de celular. Ele falou de portabilidade que será um desafio para o mercado de celular. Contou que resolver focar em classe C, D e teve sucesso.

Fraca no geral.

Desta participam Alexandre Fugita, Claudio Roca da blogTV Inc o Cardosão, Edney, o Fabio Seixas, Renato Shirakashi da Via6.com.

E o Wagner é o moderador e com um powerpoint miguxo com template de hello kit e começa alertando que as agências tem que sair do pedestal e que tem ver entender quando os blogs falam bem e falam mal tem que ser levado em conta. Claro que surgem todos os dias milhares de blog, e em sua maioria ruins, mas se um a cada dia for bom, no fim teremos pelo menos 360 novos blogs bons. Falou que as agências estão pensam que grandes blogs podem ser usados como seeding, ponto de partida para viralizações. Nem sempre funciona.
Falou também que a blogosfera é um rebanho e que tem comportamento de manada.
O Edney falou que a blogosfera tem várias outras microblogosferas dentro dela com seus nichos específicos. Surgiu uma pergunta de como encontrar os blog que são interessantes para determinado anunciante e o Edney citou que tem o BlogBlogs e o Google BlogSearch.
Neste momento uma pessoa secretamente pergunta se pode de
Cardoso falou que pequenos sites com poucos links conseguem aumentar muitas posições rapidamente. O Inagaki falou sobre um a vantagem de ter uma rede é que a estrutura pode ser mais complexa. O Cardoso falou que o meio bit já é uma empresa hoje em dia com área comercial. O Claudio falou que empresas não são mais amadores. O Wagner deu exemplos de ações com blogs como o blog do Pimentel e o blog do ursinho da Fiat. O Edney lembrou de ações como o Fake Steve Jobs que é claramente fictício são boas, mas não se deve tentar enganar o usuário. Ele continuam falando que hotsites são temporários e relacionamentos são a longo prazo. O Inagaki disse que participou de um projeto de blog temporário que a empresa fechou em um mês e ele considerou errado, pois as pessoas ficaram carentes sobre o assunto.
O Renato falou que comprou um post pago com 10 blogs grandes gastando 2.000 reais apenas. Ele citou também o SEO que poderia ser gerado por estes posts, mas ao mesmo tempo citou o nofollow para evitar o link pago. O Fabio citou que comprou post pago na França e teve uma certa confusão por não ter deixado claro que os posts deviam ter disclaimer. O Cardoso citou que só trabalha com disclaimer e que é fácil notar posts pagos. É só procurar no Google quantos posts repetidos. O Edney falou que as agências tem que conversar com os blogueiros e bolar coisas novas. Tem que ser inovador.

A Maria Cristina Abella do Visa, pois não pode comparecer pois a sua empresa está em processo de IPO. Para substituir esta apresentação foi proposto uma formula nova de 5 mini apresentações onde cada palestrante tem apenas 15 minutos para falar. Vamos ver o resultado.

Mauricio Mota Lima vai falar sobre TV digital e começa mostrando um desenho do Tex Avery sobre a TV do futuro. Eu já tinha visto o vídeo então não aproveitei tanto. A propaganda é um formato de contar histórias e a marca é uma matriz de infinitas histórias. Ele citou o Heroes, eu já tinha feito um feito post sobre isto que já cobre bem o case apresentado. Citou os quadrinhos, lost e a quantidade de acessos das páginas. Citou que de resultado a DC resolveu imprimir o quadrinho de heroes.
Terminou falando do complexo de vira lata dos brasileiros e falou de um case brasileiro de uma produção da MTV apresentado pelo João Gordo chamado Lutas. São cinco documentários em um filme no formato de quadrinhos.

Agora entra o Davi com o tema First Life. A tese dele é sobre a inovação tecnológica. Conta duas anedotas. Ele saiu com amigos e estava parado com um menino e ele veem uma moça de vestido branco. Ele então fala para a menina gostosa e o Davi estranha. Ele continua com o assunto dizendo que quer fazer amor com a menina e só não faz por que não tem camisinha para o tamanho dele. Estranha a história para exemplificar como as coisas estão rápidas. Ele é bem engraçado, mas é filosófico e psicológico demais.

Ele cita um filosofo frances que comenta somos hiper impactados e o reflexo é a agitação. Um movimento que veio conta isto é o neo-luddismo que fala que a tecnologia desumaniza. Outro filósofo fala que a tecnologia é muito rápida e surgem tecnologias que questionam a humanidade como biotecnologia, nanotecnologia e várias ciências que impactam na nossa vida.

Ele divide a vida como First Life que é a vida que abraçamos que gostamos, a atenção que damos aos nossos filhos e todo contato fisico que fazemos. Já o Second Life são todos os relacionamentos que temos com a tecnologia como celulares, computadores, redes sociais e tudo relacionado a tecnologia.

Segundo o Davi, isto causa identidades duplas e cita até a esquizofrenia. Fala que as pessoas confundem suas vidas acessando sites pessoais no trabalho e acessando coisas relacionadas a trabalho em casa. Citou uma mulher falou que o celular é mais importante que o seu marido.

Agora é Brian Cott falando sobre inovação e quer desafia a criação e diz que as expectativas mudaram. Todo mundo quer inovação. Temos usuário mais sofisticados e exigente e estão demandando invovação das empresas. Existe dificuldades em brand já que a diferenciação entre as marcas é menor. Inovação não é relacionada a usar celulare, mas pode ser uma mudança de processo ou a maneira que você apresenta o seu web site online ou atingir um novo mercado. O Wimax está mudando as expectativas das pessoas, assim como o iphone e o wii.

Falou que o processo de um filme mudou já que até chegar na TV demorava muito, mas agora acontece em várias área com pay per view e DVD. Dividiu em grupos os tipos de inovação como inconciente e inconciente até consciente e competente. Inovação é relacionado a marca.

Existem 5 pilares para inovação.
1 o que você faz não pode ser copiado rapidamente pela concorrencia,
2 precisa ser lucrativo,
3 não copiei
4 tem mudar a percepção da industria,
5 cobrar pelo premium

Você precisa entender o risco. Testar, aprender e minimizar o risco. Tem criar checkpoints também, mensurar e ter foco. Muito boa e ele prometeu a apresentação.

Voltamos com o Bob que se desculpa pela falta de energia devido a viagem. Ele explicou que sempre compra um presente para a filha e no Brasil comprou um sofá. Fez piadas com o palestrante francês e ausência da moça do Visa. Falou sobre seu livro. Falou também sobre o comercial que ele considera mais importante da história. É sobre o comercial do Mac 1984. Lembrou que o objetivo do profissional de marketing é vender. É para isto que ele é pago. Mostrou um comercial tosco e depois falou sobre o segundo pior comercial que viu que mostra um acidente e depois aparece uma oferta de um óculos avisando que você terá uma gande economia ao comprá-lo. Mostrou um comercial de uma empresa alimentícia americana que dôou comida para desabrigados fazendo um melodrama de como se importa com as pessoas.

Para fechar entra o Castelo falando sobre mobile advertising e mostra um filme da VIVO com a Fbiz sobre um jogo de celular que ele ofereceu para várias empresas e no fim ele prometeu apresentar quem acabou patrocinando. Ele fala da importancia do optin, de empresas como a Coca que querem impactar este mercado, o lado da operadora que não tem canibalização do processo e veículos como o UOL que mandou um convite para ele para oferecer produtos.

Falou que já existem casos de sucesso com mobile como o da Abril oferecendo assinatura de revista para a base da Brasil Telecom. Outro caso foi usando patrocínio do chip com a Adida com um bolão da copa que teve um super resultado. A resposta foi que na maioria foram empresas de celular que patrocinaram além da unilever. Fim do primeiro dia.

Imagine blogar sobre sua série favorita e ainda ser pago para isto? Tem gente que tem está sorte né Tais?

Aproveitando, O Blog do Heroes está em clima de web 2.0 e esta pedindo colaborações. Eu já mandei a minha, afinal fã que é fã saboreia os detalhes. Que comece a segunda temporada!

Estou esperando pelo meu boneco do Locke. Tomara que eu ganhe. =)

O Beto Largman teve uma idéia genial ao montar o evento e o resultado foi impressionante. Antes mesmo do evento começar, tive a oportunidade de conversar com o Bruno Alves. Trocamos muitas idéias, falamos sobre SEO, blogs e rimos muito. Quando deu a hora do evento, fomos ao Armazém Digital e lá vários rostos conhecidos como Priscila Gonçalvez e o Robson do Interfaceando que vi de longe. Conversei com o Bernabauer sobre como temos a impressão que já vimos a maioria dos rostos do evento, mas não temos certeza de onde. Acho que o mundo a blogosfera é muito pequeno. Compareceram também o Nick, o Alexandre Fugita (não consegui falar com ele) e o Cris Dias. Acho que a Lia estava lá, mas não tenho certeza.

Na mesa principal estavam o Fábio Seixas, o Beto, o Cardoso, o Paulo Mussoi e o Inagaki, que chegou um pouco atrasado pois vinha de São Paulo. O estilo do evento foi bastante agradável, o Beto conduziu muito bem deixando de lado o estilo ââ?¬Å?palestra depois perguntasââ?¬Â para ââ?¬Å?quem quer falar sobre o assuntoââ?¬Â. Muito democrático e funcionou muito bem. Entre os assuntos abordados estava rentabilização de blogs, em que o Cardoso mostrou que o post é mais embaixo, pois não é do dia para noite que se tem um blog de sucesso e que dá dinheiro. Ã? um trabalho de esforço diário. Ele contou que chega a colocar no ar mais de 10 posts por dia somando todos os seus blogs e que trabalha várias horas por dia com isto. O Bruno antes da palestra tinha me falado que postava no mínimo de 1 a 3 posts por dia e isso já tinha me assustado. Outra coisa que o Cardoso mencionou foi que o problogger deve primeiro se preocupar em escrever textos interessante para depois a grana entrar como conseqÃ?¼ência. Nada como a voz da razão.

O Inagaki falou também que considera estes rankings de import�¢ncia de blogs supervalorizados. O que acaba acontecendo é que blogs super importantes em determinados nichos como literatura e blogs de adolescentes não figuram nestas listas, mas que eles tem muita import�¢ncia nas suas áreas. Um pouco de cauda longa né?

Outro ponto abordado é se os blogs são formadores de opinião. Foi comentado que nem todo blog é formador de opinião, mas que o blog permite que surjam formadores de opinião. Na platéia falaram que o blog permite até que a massa tenha voz e que possa influenciar as coisas. Um dono de blog é praticamente um Roberto Marinho, já que o blogger cuida de todos os apectos da produção dos artigos, publicação…

Foi falado também que é muito bom as empresas perceberem o poder dos blogs e que é valida sim a idéia de uma empresa ter um blog. O que não pode acontecer é criar um blog corporativo com ââ?¬Å?posts releasesââ?¬Â e com pessoas de fora contratadas para blogar. Os funcionários da própria empresa é que devem alimentar o blog. Citaram o caso da DoceShop que deixa de ser uma doceria para ser uma referência na área. Os blogs passam a ser concorrência desleal com empresas que não os têm.

Também falaram sobre a polêmica do livro do Andrew Keen. O Cris Dias lembrou que ele tem milhões de links apontando para ele (bom para o Google), porém com a maior parte dos textos depreciativos o que não adianta muito. Praticamente todos concordaram que ele usava a polêmica para vender seu livro. Na plateia alguém a Camila lembrou que ele que critica tanto os blogs e tem um para vender seu livro. Outro ponto foi se os jornais que permitem comentários podem ser considerados blogs. A conclusão foi que não.

Não deu para ficar até o fim. Vou aguardar os post dos outros sites para complementar com os links de quem ficou.

Dia 8 de março é o dia internacional da mulher. Elas merecem todas as glorias e felicitações. Elas são especiais, sensíveis, multitarefa e mais uma sorte de elogios. Por sorte, eu tenho uma muito especial, a Marcia. Sem ela minha vida não seria a mesma e eu não seria realizado como sou.

Aproveitando o assunto, participei do, apenas uma era mulher. E nos blogs? Como está a situação. Acho que está melhor, apesar da maioria ainda ser masculina, as mulheres blogueiras fazem bonito. Como uma pequena homenagem, selecionei alguns blogs interessantes. Aproveite o dia e conheça alguns blogs que recomendo.

Mulheres do mundo! Blogai!

Next Page »