Archive for June, 2012

O Senac está promovendo um Workshop de WordPress.

Será dia 27 de junho, no auditório do SENAC de Copacabana. O espaço comporta 120 pessoas, por isto as vagas serão limitadas. O evento é gratuito. Começa as 19h30 e vai até as 22h.

Repetindo: 27 de junho das 19h as 22h no Senac Copacabana.

O palestrante será o Leo Cabral, coordenador de SEO do Hotel Urbano. Ele falará sobre como funciona a ferramenta e dará uma abordagem pratica sobre este sistema que vai muito além do que um blog.

Para participar, preencha o cadastro abaixo e iremos confirmar as vagas. Vale lembrar que as vagas são limitas.

A Apple para muitos é uma referência em questão de inovação. Ela lança produtos que distorcem a realidade e se tornam objetos do desejo das pessoas. Foi assim com o iPod, iPhone e toda a leva recente de produtos da Apple. Outra empresa que sempre é vista como inovadora é o Google. Ele tinha um projeto chamado Google Labs onde vários produtos entravam como beta com o objetivo de criar coisas novas e únicas. Só que pouca gente soube que no fim do ano passado o Google descontinuou o serviço. Isto pode ser visto como o lado ruim do Google.

Só que isto acontece coincidentemente a outro evento do ano passado. Antes da morte de Steve Jobs, Larry Page que é um dos dois fundadores do Google procurou o head da Apple que, diz a lenda, o aconselhou a ter mais foco e objetividade nos negócios. Para quem não sabe, muitos produtos do Google foram descontinuados. O Google realmente criava muitos projetos, mas a maior parte deles não saia do beta. Qualquer um pode analisar isto e falar que ali foi perdido dinheiro e que se você quer ganhar mais dinheiro, foque no que você faz bem para fazer melhor ainda. Então o Google Labs era o patinho feio do Google (ou vilão se preferir).

Agora, será que este conselho serve para todas as empresas? Será que este conselho foi bem entendido? O Android poderia ser um exemplo que segundo o conselho de Jobs, não faria sentido o Google criá-lo. Mas hoje o Google tem mais de 50% do mercado de smartphones com seu sistema operacional, o que garantira que quando as pessoas naveguem em seus celulares que a busca do Google tenha grande chance de ser a principal a ser usada. E na busca realmente o Google é o Bom, certo?

Ninguém quer fazer o papel do feio, mas depois que o produto é um sucesso, todos querem cantar as glórias do sucesso. As empresas precisam entender que o sucesso muitas vezes é fruto de cavar em terra seca, comer poeira e batalhar bastante. Nisto voltamos ao conselho de Jobs. Ele funciona para Apple, mas será que a Samsung devia cortar todas as áreas que atua? Mesmo com o conselho pode ser que o Google não tenha deixado de focar na inovação, só está mudando o foco de quais serão as inovações. O Google Plus e o óculo do Google são tentativas nesta linha. Vamos acompanhar o que vem de inovação do Google pelos próximos meses para ver como Larry Page entendeu o conselho.

Eu vejo tantos projetos de negócio maravilhosos, com ferramentas de cair o queixo, com interações super agradáveis, mas muitos deles tem um problema crônico. Um problema que não depende de sonhos, de alegria ou sucesso conquistados. Se um projeto não tem uma fonte de renda, dificilmente ele conseguirá se manter.

Veja a história rápida e resumida do Google. Ele é um grande gigante da mídia, uma ferramenta maravilhosa, uma marca desejada e valorizada, mas o que era o Google no seu primeiro ano de vida? Ele não tinha fonte de receita. Existia apenas pessoas que vislumbravam o quanto aquela ferramenta era maravilhosamente útil e funcional. Algumas destas tinham dinheiro e acharam que valia investir no Google, mas aí vem a pergunta: E se não desse certo? Como o investidor ia receber de volta o dinheiro? Você agora vai falar, mas só de olhar para o Google dá para ver que é sucesso certo. Ok então vamos pensar em outro site.

O Delicious é um sistema de favoritos colaborativo. Surgiu no Yahoo! e é uma ideia incrível e útil, pois vai além dos favoritos no seu toolbar do navegador. Você pode taguear, ver os artigos mais favoritados, ver o que seus amigos favoritam. Legal né? Resumo da história: o Yahoo! não conseguiu manter o site e teve que passar para frente. Simples assim. Não importa se o produto é legal, não tem receita, não tem como se manter.

Voltamos ao Google, depois que ele descobre o link patrocinado, tudo praticamente vira ouro. Aí a coisa fica fácil. Chovem pessoas querendo investir, comprar ações, fazer parcerias… de novo você vai falar, mas o Google é melhor que o Delicious. E você seria capaz de acertar sempre? Você compraria o instagram? Cadê a fonte de receita? Você compraria a ZipDash ou a Where 2 Technologies? São algumas das empresas que servem para o Google Maps que é um aplicativo que dá receita e no futuro com os celulares deve ter mais força ainda. Aí já dá para ver que é difícil medir isto. Quantos produtos os próprio Google comprou e acabou não usando?

Agora imagine um mundo sem investidores? Não teríamos produtos maravilhosos ou a velocidade de crescimento que tivemos até hoje. Então as empresas tem que aproveitar o almoço grátis para poder crescer e melhorar seus modelos de negócios, suas ferramentas e tornar seu produtos útil para seus usuários. Só tem que ter em mente que não será para sempre.

Este humilde blog tem posts dede 2005. Na verdade este site é muito mais antigo pois existia uma versão previa dele que era uma bagunça só. Era diversão. Aproximadamente em 2008 parei de postar. Trabalho, vida, clientes, alunos e várias outras coisas ganhavam mais atenção que o blog. Natural termos que fazer escolhas, mas sempre fiquei triste de não poder voltar a escrever. Adoro escrever apesar de não ser tão bom nisto. O Gosto por escrever está relacionado com a vontade de ensinar. Sempre curti ensinar as pessoas. Vejo nisto um processo parecido com a caverna de Platão e para o marketing digital isto até hoje é muito importante. Já vi livros escritos com erros, jabás em livros, artigos manipulados e diversas coisas que me motivavam a continuar e me motivam por incrível que pareça até hoje, mas a verdade é que temos todos que trabalhar e nem sempre sobra o tempo para criar coisas novas, descobrir padrões e encontrar as principais dificuldades.

Quero voltar a escrever, mesmo que em menor quantidade tanto em caracteres como em vezes, mas poder continuar a transmitir conhecimento. Mas por que o título do post é uma viagem no tempo? Vejo como o mercado amadureceu e se tornou melhor, mas os mesmos problemas do inicio ainda acontecem. Focando na viagem do meu ponto de vista, eu percebo o crescimento e a maturidade que consegui. A experiência é algo maravilhoso, mas não pode passar por cima da criatividade. O nosso mercado está em plena construção e novos elementos vão sempre exigir que mudemos constantemente. Também precisaremos ser criativos para poder ir além. O diferencial é e sempre foi a inovação. Então este post é como uma viagem do que eu era e o que sou agora. É o gap, intervalo, a quebra que só consegue ser vista depois de acontecida. Gostei de 2012.